Pular para o conteúdo principal

Conheça 5 fatores que colaboram com a depreciação de imóveis.

Basicamente existem dois tipos de fatores que geram a depreciação de imóveis: os fatores internos e os externos. Ambos precisam ser avaliados com cuidado para garantir que a compra não resulte em arrependimentos, mas sim na certeza de que fez um ótimo investimento.
Conheça a seguir um pouco mais sobre cada um eles e garanta a sua melhor compra!

Fatores internos

1. Número de quartos insuficiente

Pensando nos filhos, visitas e até no escritório, um imóvel com poucos quartos e/ou com quartos apertados pode ser mais difícil de ser vendido ou alugado no futuro, forçando você a reduzir o valor dele para fechar o negócio.

2. Vaga de garagem descoberta

A maioria das pessoas que compra um imóvel, geralmente, já possui pelo menos um carro. O novo morador vai querer protegê-lo do sol e da chuva. Afinal, também é um bem valioso. Nesse caso, casas ou apartamentos com vaga de garagem descoberta podem ser descartados da lista de muita gente, desvalorizando o imóvel rapidamente.

3. Ausência de quintal e jardim

Quintal e jardim são importantes para as crianças e animais de estimação brincarem ao ar livre e para os adultos respirarem um pouco de ar puro do lado de fora. Muita gente considera isso primordial na compra de um imóvel e não contar com eles pode acelerar a depreciação do valor do imóvel.

4. Decoração ultrapassada

Mesmo que o comprador tenha a intenção de mudar toda a decoração do ambiente, a atual pode influenciar muito no valor do imóvel. Isso porque uma decoração antiga e ultrapassada pode indicar desleixo e total falta de cuidados com o imóvel.

5. Conservação ruim

Além da decoração, paredes com furos e descascando, encanamentos furados e fiações elétricas desencapadas e passando por fora das paredes pode indicar mau planejamento de obras. Além de passar uma péssima impressão, o local exigirá uma boa reforma, o que será impactado no valor de compra do imóvel.

Fatores externos

1. Aumento do índice de criminalidade no bairro

Hoje você escolhe um bairro por considerá-lo tranquilo, mas depois de alguns anos a situação pode mudar. Se houver bairros com altos índices de criminalidade aos arredores, será questão de tempo até que o seu seja afetado e, como ninguém gosta de morar em locais violentos, o preço do imóvel despenca.

2. Longa distância dos centros comerciais

Ninguém gosta de percorrer longas distâncias só para comprar pão e leite, por exemplo. Se não houver estabelecimentos comerciais próximos, será considerado um local deserto, e isso impacta diretamente no valor do imóvel, já que o consumo de tempo e dinheiro será maior sempre que precisar de algo.

3. Falta de infraestrutura urbana

Bairros com ruas sem calçamento e ausência de serviços públicos essenciais como iluminação pública, esgoto, água encanada, transporte coletivo, coleta de lixo diária, hospitais e policiamento deixam claro o descaso pelas autoridades. Por causa da desvalorização, pode ser difícil vender ou alugar o imóvel nesses locais.

4. Vizinhança barulhenta

Comprar um imóvel ao lado de vizinhos festeiros ou de espaços utilizados para esse fim pode ser um problema. Inquilinos ficam por pouco tempo, e os proprietários vão querer vendê-lo logo. Como possivelmente encontrarão dificuldades em negociá-lo, o imóvel deve desvalorizar muito.

5. Aumento da poluição

Outro problema que desvaloriza um imóvel é se ele estiver localizado ao lado ou bem próximo de portos, aeroportos, linhas férreas e rodovias de alto fluxo de veículos. Além da poluição que deixa o ar pesado e nocivo, existe a poluição sonora, que não poderá ser combatida. Mesmo com vedações e climatizações, o incômodo pode não ser resolvido.
Você não vai querer ver o seu investimento ser afetado pela depreciação de imóveis, certo? Então fique atento a esses fatores e escolha um local mais adequado possível para comprá-lo.
Gostou das dicas? Então, baixe o e-book Guia do imóvel – À vista, Financiado ou Alugado agora mesmo e descubra mais. Ele é gratuito e vai ajudar você a tomar as melhores decisões!
Não perca tempo, faça a sua simulação com a CrediPronto e tenha sua análise de credito em até 24 horas.
Fonte: http://www.lopes.com.br/blog/mercado-imobiliario/5-fatores-que-colaboram-com-depreciacao-de-imoveis/#axzz4zMz5zrpQ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                          Por:  Clickfoz    Publicado em:  14/08/2019 O  Clickfoz  teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do  Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte , DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de  Foz do Iguaçu , tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma n

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação a

Foz do Iguaçu para Investidores