Pular para o conteúdo principal

Governo Reduz Orçamento Do FGTS Para A Habitação

Fundo destinará R$ 5 bilhões para modalidade, frente a R$ 7,54 bilhões em 2017; neste ano, Caixa suspendeu a linha em junho, por falta de recursos
O governo reduziu o orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) destinado à linha de financiamento habitacional pró-cotista. O montante aprovado pelo conselho curador na última semana é de 5 bilhões de reais, frente a 7,54 bilhões destinados em 2017.
Essa modalidade de crédito é a mais barata no mercado para aquisição de imóveis para os trabalhadores com carteira assinada, e é oferecida pela Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.
O conselho curador do FGTS também havia destinado 5 bilhões de reais no último ano, mas os recursos da Caixa acabaram em maio. Por meio de um remanejamento, foram destinados mais 2,54 bilhões de reais à linha pró-cotista. Mesmo assim, os recursos não foram suficientes e a Caixa interrompeu a modalidade, novamente, em junho.
Apesar de o montante representar um aumento frente ao que foi orçado para 2017 (58,5 bilhões de reais), ele permanece constante após esse período, até 2020.O orçamento do FGTS destinado à habitação é de 69,47 bilhões de reais em 2018 – o restante dos recursos será investido em outros tipos de obras de infraestrutura (ver tabela abaixo). Além da linha pró-cotista, 62 bilhões de reais são destinados ao financiamento da habitação popular, que engloba programas como o Minha Casa, Minha Vida.
Para a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), a redução da parcela que o FGTS destinada às moradias desvirtua os objetivos do fundo e é prejudicial à economia. “Lesa não somente o trabalhador, que sonha em adquirir sua casa própria, como também o setor da incorporação e o restante da cadeia, impactando, inclusive, nos empregos diretos e indiretos que são gerados a partir das obras na construção civil”, diz trecho de nota da instituição.
Outro lado
Segundo o coordenador-geral do FGTS, Bolivar Moura Neto, a expectativa é de que, passada a crise econômica, haja maior oferta de empréstimos imobiliários com recursos da poupança. “Os bancos, somados, financiaram 140.000 unidades nos últimos 12 meses. Só o FGTS financiou 470.000 unidades nesse período. O FGTS está praticamente sustentando o mercado imobiliário”, escreveu em comunicado.
Sobre a diminuição da linha pró-cotista, ele disse que “o Conselho manteve o valor de 5 bilhões de reais por ano, operado historicamente no pró-cotista, justamente para que os bancos voltem a operar com recursos da poupança para a classe média, e o FGTS seja mais voltado para a habitação popular, que é o foco do Fundo”.
Fonte: Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                         Por: Clickfoz   Publicado em: 14/08/2019 O Clickfoz teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte, DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de Foz do Iguaçu, tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma nova aduana entre Brasil e …

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de…

Foz do Iguaçu para Investidores