Pular para o conteúdo principal

Lei dá desconto na taxa de registro do primeiro imóvel

Comprar o primeiro imóvel é um sonho na vida de grande parte dos brasileiros. Você já parou para pensar na burocracia que acompanha essa decisão? É importante conhecer todos os processos que são necessários no fechamento de um negócio, as taxas que devem ser pagas e os contratos e registros que precisam estar sempre em dia para evitar futuras dores de cabeça com a compra da sua casa ou apartamento.
10_05_registro1
Muitos sequer fazem ideia, mas existe uma lei que fornece 50% de desconto na taxa de registro de escritura do primeiro imóvel adquirido pelo comprador. Essa lei já existe há pelo menos 40 anos e muitos cartórios de registro não a mencionam para os futuros proprietários de imóveis.
A lei que regulamenta o direito a esse desconto é a de nº 6.015/1973, dentro do Título VII, das Disposições Finais e Transitórias, artigo 306, que diz que “os emolumentos devidos pelos atos relacionados com a primeira aquisição imobiliária, financiada pelo Banco Nacional da Habitação, serão reduzidos em 50% (cinquenta por cento).” A lei pode ser encontrada na íntegra no site www.planalto.gov.br, na seção de Legislação.
10_05_registro2
O não cumprimento desta fase de registro das propriedades, sejam elas casas ou apartamentos, implica em uma negociação realizada na base do contrato de gaveta, o que é uma prática não muito recomendada, visto que se trata de um documento não oficial, pois dispensa o registro em cartórios ou órgãos competentes.
Um contrato de gaveta funciona a partir da negociação entre duas partes, vendedor e comprador, que isenta a necessidade de uma instituição bancária ou imobiliária intervir. Esse tipo de negociação ocorre quando o vendedor vende o imóvel para um novo dono, que assumirá então a dívida do financiamento da propriedade. O contrato de gaveta é um acordo feito 100% na base da confiança, por isso alguns profissionais não recomendam essa prática.
Por ter um custo elevado e que muitas vezes os novos compradores não estão esperando, muito optam pelo contrato de gaveta e o objetivo dessa lei é minimizar esse tipo de negociação, facilitando o pagamento do registro de escritura da propriedade. O registro do imóvel é importante para garantir que o comprador não venha a ter problemas futuros, podendo desfrutar plenamente do que está em seu nome por direito. Esse tipo de credibilidade o contrato de gaveta não tem, por exemplo.
Happy young couple getting keys of their new home
Para ter direito ao desconto, é preciso que o comprador esteja dentro de algumas especificações citadas na lei. O imóvel adquirido deve ser o seu primeiro, estar financiado pelo Sistema Financeiro da Habitação e ter finalidade exclusivamente residencial. Se o novo proprietário estiver dentro das regras do Minha Casa, Minha Vida, seu desconto pode variar, chegando a até 90% do valor da taxa de registro cobrada pelo cartório.
A propriedade registrada pode estar dentro das condições de imóvel novo ou usado, com valor de até 500 mil reais. Para requerer o comprovante de primeira compra de imóvel adquirido pelo SFH, é possível ir até a Caixa Econômica Federal e solicitar uma certidão que comprove essa informação.
Há pessoas que não tem direito ao desconto sobre a taxa de registro, como por exemplo, quem pagou à vista ou sem financiamento sua propriedade ou adquiriu um imóvel com valor superior ao máximo permitido pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Estão proibidos de ter o desconto também àqueles que já possuem imóveis registrados em seu nome (residencial ou comercial) ou herdou alguma propriedade.
10_05_registro4
Para solicitar o desconto de registro é preciso que o comprador preencha uma declaração legal, escrita a próprio punho, que ateste a propriedade como sendo sua primeira. O modelo de declaração pode ser solicitado em cartório e o adquirente do imóvel só terá direito ao desconto se solicitá-lo antes do registro, visto que não há reembolso de valores pelo cartório.
Em caso de negação do cartório ao direito do comprador de obter o desconto mesmo com declaração e adequação aos requisitos para tê-lo, é possível a reclamação direta à Corregedoria Geral de Justiça.

Fonte: http://www.socorretor.com.br/mercado/lei-da-desconto-na-taxa-de-registro-do-primeiro-imovel/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                         Por: Clickfoz   Publicado em: 14/08/2019 O Clickfoz teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte, DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de Foz do Iguaçu, tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma nova aduana entre Brasil e …

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de…

Foz do Iguaçu para Investidores