Pular para o conteúdo principal

Taxas De Juros, Financiamento E Inflação Baixas Aquecem Mercado Imobiliário

O mercado imobiliário já vem se recuperando com força e os indicadores vêm demonstrando um crescimento impactando positivamente a economia brasileira.
O ano de 2018 e essa é hora de investir no mercado imobiliário. O sonho da casa própria é um dos planos que continua no topo da lista dos brasileiros. Para quem deseja dar início a esse projeto as perspectivas são positivas. Taxas de juros mais baixas e preços estabilizados, a Caixa Econômica Federal retomando a linha de empréstimo imobiliário Pró-Cotista, uma das mais baratas do país já são alguns dos motivos para o primeiro passo rumo à sua própria moradia.
O preço dos imóveis residenciais anunciado em 20 cidades brasileiras fechou 2017 com queda nominal (sem considerar a inflação). (Veja Aqui). Essa foi o primeiro ano de retração nos preços em 10 anos, quando o indicador começou a ser medido.
O ano de 2018 entra com as condições fundamentais para a retomada da economia. São elas: taxa de juros baixas – a mais baixa da história – com expectativa de mais queda; e inflação muito baixa, está quase abaixo do piso da meta. Isso é um fator muito positivo”, lembrou Irenaldo Quintans, vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC).
A confiança do mercado imobiliário está voltando.
Uma pesquisa realizada pela Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil (ADIT Brasil) revela que 91% dos empresários do setor pretendem voltar a investir ou empreender em 2018.
Segundo o estudo, a região Sudeste lidera, respondendo por 40% da área de interesse dos entrevistados. A pesquisa Perspectiva de Mercado, que ouviu 174 associados da Adit Brasil, entre os meses de outubro e novembro, mostra que não são só as capitais que devem receber investimentos.Atualmente, a percepção da maioria dos empresários do setor (68%) é que o mercado imobiliário está em uma curva de retomada no Brasil, ainda que de forma lenta. Por outro lado, as projeções para o próximo ano são mais animadoras para o setor. O percentual, por exemplo, de quem acredita que 2018 será de retomada com crescimento elevado é de 29%. Neste ano, a expectativa de crescimento para o setor é de apenas 2%. E a margem daqueles que acreditam que 2017 é de declínio/recessão (9%) cai para apenas 3% no ano seguinte.

Fonte: https://publicidadeimobiliaria.com/financiamento-e-inflacao-baixas-aquecem-mercado-imobiliario/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                          Por:  Clickfoz    Publicado em:  14/08/2019 O  Clickfoz  teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do  Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte , DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de  Foz do Iguaçu , tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma n

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação a

Foz do Iguaçu para Investidores