Pular para o conteúdo principal

Taxas De Juros, Financiamento E Inflação Baixas Aquecem Mercado Imobiliário

O mercado imobiliário já vem se recuperando com força e os indicadores vêm demonstrando um crescimento impactando positivamente a economia brasileira.
O ano de 2018 e essa é hora de investir no mercado imobiliário. O sonho da casa própria é um dos planos que continua no topo da lista dos brasileiros. Para quem deseja dar início a esse projeto as perspectivas são positivas. Taxas de juros mais baixas e preços estabilizados, a Caixa Econômica Federal retomando a linha de empréstimo imobiliário Pró-Cotista, uma das mais baratas do país já são alguns dos motivos para o primeiro passo rumo à sua própria moradia.
O preço dos imóveis residenciais anunciado em 20 cidades brasileiras fechou 2017 com queda nominal (sem considerar a inflação). (Veja Aqui). Essa foi o primeiro ano de retração nos preços em 10 anos, quando o indicador começou a ser medido.
O ano de 2018 entra com as condições fundamentais para a retomada da economia. São elas: taxa de juros baixas – a mais baixa da história – com expectativa de mais queda; e inflação muito baixa, está quase abaixo do piso da meta. Isso é um fator muito positivo”, lembrou Irenaldo Quintans, vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC).
A confiança do mercado imobiliário está voltando.
Uma pesquisa realizada pela Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil (ADIT Brasil) revela que 91% dos empresários do setor pretendem voltar a investir ou empreender em 2018.
Segundo o estudo, a região Sudeste lidera, respondendo por 40% da área de interesse dos entrevistados. A pesquisa Perspectiva de Mercado, que ouviu 174 associados da Adit Brasil, entre os meses de outubro e novembro, mostra que não são só as capitais que devem receber investimentos.Atualmente, a percepção da maioria dos empresários do setor (68%) é que o mercado imobiliário está em uma curva de retomada no Brasil, ainda que de forma lenta. Por outro lado, as projeções para o próximo ano são mais animadoras para o setor. O percentual, por exemplo, de quem acredita que 2018 será de retomada com crescimento elevado é de 29%. Neste ano, a expectativa de crescimento para o setor é de apenas 2%. E a margem daqueles que acreditam que 2017 é de declínio/recessão (9%) cai para apenas 3% no ano seguinte.

Fonte: https://publicidadeimobiliaria.com/financiamento-e-inflacao-baixas-aquecem-mercado-imobiliario/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                         Por: Clickfoz   Publicado em: 14/08/2019 O Clickfoz teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte, DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de Foz do Iguaçu, tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma nova aduana entre Brasil e …

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de…

Foz do Iguaçu para Investidores