Pular para o conteúdo principal

Vendas e lançamentos em alta. É a retomada do mercado imobiliário?

Vendas e lançamentos em alta. É a retomada do mercado imobiliário?

O cenário de estagnação do mercado imobiliário parece ter ficado para trás. Mais do que de um sentimento do setor, a sinalização vem das estatísticas, que apontam aumento no número de unidades lançadas e também de vendas efetivadas.
Nos primeiros cinco meses de 2019, as incorporadoras colocaram no mercado 28.787 novas unidades, 5% a mais do que no mesmo período do ano passado. Quando se olha para o recorte dos últimos doze meses, tendo maio como referência, a alta é ainda mais expressiva e chega aos 15%. Neste período, foram 101.544 os imóveis novos ofertados, contra os 88.620 dos meses imediatamente anteriores, segundo dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias.
.
.
Positivos, também, são os resultados referentes à comercialização destas unidades. Mesmo com a queda de 2% nos primeiros cinco meses do ano e de 1% no acumulado dos doze meses sobre as vendas brutas, o consolidado das vendas líquidas (subtração das unidades distratadas do total de comercializadas) reforça o argumento de que se trata de um novo momento. Elas cresceram 9,8% até maio, desempenho similar aos 9% acumulados nos doze meses anteriores tendo o mesmo mês como referência. O motivo: a queda significativa no volume de distratos, ou seja, de cancelamento de contratos de compra e venda, que chegou a 33,8% e 27,3% nestes períodos, respectivamente.
.
"No ano passado tivemos a publicação da lei que regulou o distrato e tornou claras as regras sobre ele tanto para o comprador quanto para o vendedor, fazendo com que ele não dependa de disputas judiciais [e esteja envolto à] insegurança jurídica. Com isso, os compradores se tornaram mais conscientes e passaram a ter mais segurança para efetuar a compra, as pessoas deixaram de comprar para especular”, destaca Luiz França, presidente da Abrainc, ao justificar a queda do percentual.
.
Crédito atinge mais alto patamar dos últimos cinco anos
.
Se as vendas crescem, é natural que levem consigo o aumento dos financiamentos imobiliários, uma vez que boa parte dos compradores tem nos empréstimos o meio para realizar o sonho da casa própria. Nos primeiros seis meses de 2019, a aquisição e a construção de 129,2 mil imóveis foram financiados com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos somando R$ 33,7 bilhões em crédito, alta de 30,7% e 33,3%, respectivamente, em relação ao igual período do ano passado. No acumulado dos últimos doze meses, foram movimentados R$ 65,82 bilhões, quase 40% a mais no comparativo com o período anterior.
“Este é o melhor resultado desde 2015. Para este ano, estamos projetando que a combinação dos financiamentos via FGTS e poupança chegue a R$ 132 bilhões, o terceiro maior resultado da série histórica, [perdendo apenas] para os anos de 2013 e 2014”, sinaliza Gilberto Duarte de Abreu Filho, presidente Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança.
.
Para ele, a combinação de dois fatores devem incentivar este cenário: a retomada do apetite dos bancos em voltar a emprestar, tendo como base o saneamento das carteiras durante a crise e a antecipação frente às expectativas de recuperação da economia, e o aumento da demanda por parte dos clientes.
“A retomada é impulsionada, basicamente, por três fatores que estão sendo, e irão continuar, claríssimos. São eles: o baixo nível dos estoques [em maio 123.160 mil imóveis novos eram ofertados no país]; a redução das taxas de juros, e a tendência de quedas mais acentuadas até o final deste ano; e o cenário de alguma recuperação do emprego”, acrescenta Marcos Kahtalian, vice-presidente de banco de dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Paraná.
.
O encaminhamento de questões estruturais para a economia do país, como a reforma da previdência, também contribui para elevar o otimismo do setor e o grau de confiança dos empresários e consumidores. “Desde 2013, 2014, não se tinha uma perspectiva de recuperação e de melhoria tão clara para o mercado imobiliário”, resume Kahtalian.
.
Balanço
Reformas econômicas e confiança do setor apontam para retomada do mercado de imóveis no país.
.
Fonte: Gazeta do Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                          Por:  Clickfoz    Publicado em:  14/08/2019 O  Clickfoz  teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do  Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte , DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de  Foz do Iguaçu , tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma n

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação a

Foz do Iguaçu para Investidores