Pular para o conteúdo principal

Caixa reduz juros de crédito imobiliário para 7,5% ao ano, mais a TR... - Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/10/08/caixa-reduz-juros-de-credito-imobiliário-para-75-ao-ano-mais-a-tr.






A Caixa Econômica Federal anunciou hoje a redução dos juros para financiamentos imobiliários com recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). A taxa mínima passou de 8,5% ao ano mais a TR (Taxa Referencial) para 7,5%, mais a TR (que atualmente está zerada). A taxa máxima será de 9,5% mais a TR. As simulações podem ser feitas no site da Caixa. O anúncio do banco público é uma reação à decisão dos dois maiores bancos privados do país, que reduziram os juros do financiamento imobiliário.

O Bradesco respondeu à redução de juros do crédito imobiliário anunciada pelo Itaú e baixou a sua taxa para a partir de 7,3% ao ano + TR. O Itaú cobrará a partir de 7,45% + TR. A redução nos juros da Caixa ocorre tanto nas linhas do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), para imóveis de até R$ 1,5 milhão e que permite o uso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), quanto no SFI (Sistema Financeiro Imobiliário), para aqueles acima desse valor e sem a possibilidade de uso do fundo. Guimarães declarou que acompanha as decisões do mercado sobre os juros das linhas de financiamento imobiliário, como as reduções anunciadas por Bradesco e Itaú. 

Apesar disso, ele afirmou que as linhas corrigidas pelo IPCA garantem um custo 50% aos clientes. "Sempre [acompanhamos o mercado]. A competição é importante. Levamos em conta as duas linhas. IPCA e TR. Acreditamos que o impacto da mudança do IPCA foi muito mais relevante. A linha é substancialmente mais barata. Nossa grande aposta é a linha do IPCA", afirmou. Segunda redução dos juros da Caixa Essa é a segunda queda nos juros do financiamento imobiliário da Caixa. O banco público já havia anunciado em junho uma redução de até 1,25 ponto percentual nas operações do SBPE e um programa para renegociar contratos de financiamentos habitacionais para pessoas físicas. Até o momento 114 mil clientes procuraram o banco para renegociar as dívidas, que correspondem a R$ 10,1 bilhões. A Caixa é líder do mercado imobiliário, com 69% de participação. O saldo da carteira de crédito habitacional cresceu 3,6% em 12 meses e totalizou R$ 452,3 bilhões em junho de 2019.
Em agosto passado, a Caixa já havia anunciado uma nova linha de crédito para a casa própria, com juros entre 2,95% e 4,95% ao ano, mais a inflação oficial do país, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Esse modelo de financiamento está disponível somente para novos contratos. Poderá ser usado para financiar até 80% do valor de imóveis novos e usados, com prazo de até 360 meses. O valor da prestação é corrigido mensalmente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                          Por:  Clickfoz    Publicado em:  14/08/2019 O  Clickfoz  teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do  Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte , DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de  Foz do Iguaçu , tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma n

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação a

Foz do Iguaçu para Investidores