Pular para o conteúdo principal

Preços dos imóveis têm maior alta mensal desde 2014, segundo Índice Fipezap

Os preços de venda dos imóveis residenciais subiu 0,53% em setembro, na maior alta mensal em seis anos, segundo dados divulgados nesta terça-feira (6) pela FipeZap – desde a alta de 0,55% registrada em setembro de 2014. Em agosto, o indicador, que acompanha 50 cidades, havia ficado em 0,37%.
O Índice FipeZap de Preços de Imóveis Anunciados é o primeiro indicador com abrangência nacional que acompanha os preços de venda e locação de imóveis no Brasil.
A taxa calculada é maior do que a inflação esperada para o período, de 0,43%. A inflação oficial será divulgada em 9 de setembro e, se a previsão se confirmar, o valor dos imóveis terá registrado alta real (acima da inflação) de 0,10%.
Em 12 meses, os preços seguem acumulando queda real de 0,76% (em se confirmando a expectativa para o IPCA de setembro). Sem contar a inflação, os preços acumulam alta nominal de 2,14%.
FipeZap setembro/2020 — Foto: Economia G1
FipeZap setembro/2020 — Foto: Economia G1

Capitais
Entre as capitais monitoradas pela FipeZap, apenas Porto Alegre não registrou alta no período. Veja os resultados nas capitais:
São Paulo: +0,35%
Rio de Janeiro: +0,38%
Belo Horizonte: +0,70%
Brasília: +1,97%
Salvador: +0,70%
Fortaleza: +0,52%
Recife: +1,20%
Porto Alegre: -0,05%
Curitiba: +1,39%
Florianópolis: +0,10%
Vitória: +0,66%
Goiânia: +0,61%
João Pessoa: +0,78%
Campo Grande: +0,35%
Maceió: +0,66%
Manaus: +0,48%

Preço médio de venda
O preço médio dos imóveis chegou a R$ 7.394 por metro quadrado (m²) entre as 50 cidades monitoradas. Rio de Janeiro se manteve como a capital monitorada com o preço do m² mais elevado (R$ 9.347/m²), seguida por São Paulo (R$ 9.242/m²) e Brasília (R$ 7.889/m²).

Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial por m², foram Campo Grande (R$ 4.296/m²), Goiânia (R$ 4.369/m²) e João Pessoa (R$ 4.392/m²).


Fonte:

https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/10/06/precos-dos-imoveis-tem-maior-alta-mensal-desde-2014-diz-fipezap.ghtml


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                         Por: Clickfoz   Publicado em: 14/08/2019 O Clickfoz teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte, DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de Foz do Iguaçu, tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma nova aduana entre Brasil e …

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de…

Foz do Iguaçu para Investidores