Pular para o conteúdo principal

Caixa anuncia um novo modelo de financiamento imobiliário com mais facilidade! Veja o que mudou:

 A Caixa Econômica Federal anunciou uma nova linha de financiamento imobiliário. Este modelo funcionará com correção economizando.

Os juros serão menores do que os empréstimos tradicionais. A reportagem foi de Pedro Guimarães, presidente da Caixa, durante evento da Associação Brasileira de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) na última quinta-feira (5).

A ideia para essa modalidade veio em seguida após a adição de outros bancos concorrentes. Mais detalhes sobre a operação e a data de lançamento não foram fornecidos.

Atualmente, a taxa Selic está em 2% ao ano, com rendimento mensal da poupança em torno de 0,11% e 0,12%. A poupança representa 70% da Selic, com o valor de 1,40%.

Dessa forma, essa modalidade pode indicar risco para os clientes que ingressarem. Se a Selic aumentar no futuro, as pessoas terão um impacto direto sobre o valor a ser pago.

Como o financiamento imobiliário geralmente dura mais tempo, o valor atual pode indicar poupança no curto prazo, mas pode ser arriscado nos anos seguintes.


Linhas de crédito imobiliário da Caixa


Esta seria a quarta linha de crédito imobiliário oferecida pela Caixa. Uma delas é a relação com a inflação, com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

As taxas de juros são de 2,95% a 4,95% ao ano. Esta linha pode ser utilizada aquisição de imóveis novos ou usados, com prazo de até 360 meses para pagamento do pagamento.

A segunda linha existente é indexada à Taxa Referencial (TR). Os juros atuais são de 6,50% a 8,50% ao ano. A operação é válida para aquisição de imóveis novos ou utilizados, compra de terrenos, construção, reforma e ampliação. O pagamento pode ser feio em até 420 meses.

Por fim, a linha com taxas de juros prefixadas oferece uma variação de 8,00% para 9,75% ao ano. Pode ser usado para propriedades novas ou usadas. O limite para pagamento é de 360 meses.


Fonte:

https://www.redebrasilnews.com.br/2020/11/simular-financiamento-simular-compra-de-casa-simulador-caixa-simulacao-de-emprestimo-financiamento-pela-caixa-novo-financiamento-imobiliario-simulaao-caixa-compra-imovel-emprestimo-para-consignado-financiamento-de-veiculos-.html


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                          Por:  Clickfoz    Publicado em:  14/08/2019 O  Clickfoz  teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do  Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte , DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de  Foz do Iguaçu , tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma n

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação a

Foz do Iguaçu para Investidores