Pular para o conteúdo principal

Cinco coisas que você precisa saber sobre financiamento imobiliário.

Quer comprar um imóvel mas não conseguiu juntar dinheiro para pagar à vista? Veja o que você precisa saber sobre compra a prazo.


Está difícil guardar muito dinheiro para comprar um imóvel? O financiamento permite que pessoas nesta situação realizem o sonho da casa própria pagando a prazo. Mas você conhece todos as opções desse tipo de aquisição, suas vantagens e desvantagens? Vamos esclarecer as principais dúvidas sobre o tema.
1. Novo ou usado
É possível financiar tanto imóveis novos quanto usados. Os juros cobrados e o prazo máximo de financiamento é o mesmo em ambos os casos.
2. Prazos
Não há uma regra para todos os bancos, de modo que os prazos mínimo e máximo variam de acordo com cada instituição. Além disso, o prazo oferecido irá depender de vários fatores como valor a ser financiado, sua renda e seu histórico financeiro. Em geral, o prazo máximo é de 35 anos.
3. Juros
A taxa de juros também varia de acordo com a instituição financeira. Lembrando que quanto menor o prazo, menos juros você pagará. E quanto maior o valor da entrada, menores serão os valores das parcelas ou você conseguirá negociar um prazo menor. O importante é nunca comprometer mais de 30% da sua renda mensal com o pagamento.
4. Restrições
Para ter acesso ao crédito do financiamento você não pode ter restrições financeiras, ou popularmente, nome sujo. São consideradas restrições: protestos, cheques sem fundos, dívidas vencidas, ações judiciais e participação em empresa falida. Se você pretende fazer um financiamento, você pode consultar sua situação no SPC/Serasa.
5. Tipo de financiamento
Existem 3 tipos de financiamento imobiliários praticados atualmente no Brasil:
Sistema Price: Bastante utilizado em muitos países. Este sistema teve que ser remodelado para se adaptar à realidade brasileira (alta inflação e taxas de juros) e, por isso, não é muito praticado por aqui atualmente.
Atualmente, a Tabela Price oferecida pelos bancos passou por adaptações e as parcelas não são mais fixas, mas variam conforme a inflação. O indexador pós-fixado TR (taxa referencial) é o mais utilizado para o reajuste das prestações do Sistema Price. Além disso, algumas incorporadoras tem opção de tabela direta, tendo como única opção a Tabela Price nas parcelas pós-chaves, a taxa de juros pode variar conforme regra de cada incorporadora o índice de correção geralmente é IPCA ou IGPM , depende da regra de cada incorporadora.
Este tipo de financiamento imobiliário é desvantajoso em situações nas quais a renda do devedor não é reajustada na mesma proporção de sua dívida com o banco. Nesses casos, com o passar do tempo, o valor da parcela comprometerá uma porcentagem cada vez maior de sua renda, o que pode dificultar e muito a quitação do empréstimo.
SAC: O Sistema de Amortizações Constantes, também conhecido pela sigla SAC, já explica seu funcionamento no nome. Nesse tipo de financiamento, o valor das amortizações é constante ao longo de todo o período de quitação do empréstimo. O que varia, então, são os juros cobrados. E como os juros sempre são cobrados em relação ao saldo devedor, no SAC o valor das parcelas vai diminuindo gradativamente ao longo do tempo.
Ao pagar prestações maiores logo no início do financiamento, a dívida é amortizada mais rapidamente e o juro total vai diminuindo. A grande vantagem de financiar o seu imóvel no sistema SAC é a segurança que esse tipo de empréstimo proporciona ao longo do tempo. Como as prestações mais altas são cobradas logo de início, se algum tipo de imprevisto ocorrer no futuro, as parcelas do empréstimo já estarão menores e serão mais fáceis de serem honradas.
Sacre: Por fim, o terceiro tipo de financiamento imobiliário praticado no Brasil é o Sistema de Amortização Crescente (Sacre). Esse sistema é uma mistura do Sistema Price e do SAC.
As prestações desse tipo de empréstimo são crescentes ao longo do tempo, mas somente até certo ponto, a partir do qual começam a diminuir. Assim como no Sistema Price, o reajuste das prestações do Sacre é atrelado à TR, as amortizações são crescentes ao longo dos anos e os juros, consequentemente, vão diminuindo. A vantagem quando se compara o Sacre ao Sistema Price, porém, é que, como as prestações decrescem ao longo do tempo, o risco de inadimplência diminui de maneira significativa.

Fonte: Tecniza Blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai

CONHEÇA O TRAÇADO INICIAL DA ROTA DA SEGUNDA PONTE E DA PERIMETRAL LESTE DE FOZ Ponte ganhará iluminação noturna, com as cores do Brasil e Paraguai                                                                                         Por: Clickfoz   Publicado em: 14/08/2019 O Clickfoz teve acesso no fim da tarde desta quarta-feira, 14, ao traçado inicial da Ponte da Integração, com imagens do projeto da construção da segunda ponte e da rota da Perimetral Leste. O arquivo é do Departamento Nacional de Infra-Estrutura do Transporte, DNIT. As vias, que servirão de rota dos caminhões para a entrada e saída de produtos nos países da fronteira, ganharão varias melhorias, além de uma nova rota exclusiva. Esta passará por fora da área urbana de Foz do Iguaçu, tendo trechos na Av Mário Filho, BR-469, Av Felipe Wandscheer e Av. República Argentina, saindo nas proximidades dos presídios, que ficam na entrada da cidade. De acordo com o projeto, será construído também uma nova aduana entre Brasil e …

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial. STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis. Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar. O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de…

Foz do Iguaçu para Investidores